sábado, 3 de setembro de 2011

A FANTÁSTICA FÁBRICA DE LIXO DO RICK


O texto de hoje é pra você que escuta as rádios FM populares e vibra com suas bandas favoritas nos programas de auditório dominicais decadentes do nosso país. Olhe bem a sua volta e procure alguma referência pessoal, a mínima que seja nas canções desses artistas que você pensa gostar tanto. Aposto que não encontrou nenhuma não é mesmo?
 Porque nem mesmo a grande maioria desses “artistas” consegue isso. Infelizmente essas músicas que tocam em rádios ou programas de TV são apenas produtos de consumo para a grande massa. Não tem preocupação artística, são como produção em série de qualquer fábrica que existe por aí.
 Pois é, e o grande magnata dessa indústria no Brasil atende pelo nome de Rick Bonadio. Produtor musical, compositor e jurado de programa de calouros é um dos mais requisitados profissionais nesse segmento em terras brasileiras. Mas isso seria garantia de qualidade? O currículo de trabalhos de Rick mostra que não.
 Há anos Rick vem produzindo e investindo em discos de bandas que pouco ou nada acrescentam no cenário musical brasileiro, bandas que são fabricadas única e exclusivamente para sanar o filão de fãs adolescentes desesperadas por ídolos descartáveis que vestem roupas descoladas e tem talento musical extremamente limitado.
 Por exemplo, Rick é responsável por um grande número de bandas que se dizem “rock”, mas que nada mais são que boys-bands com uma incrível habilidade de envergonhar quem gosta de rock de verdade, como Restart, Hateen, Fresno, NX Zero, CPM22 e Strike. Rick também atacou o filão de improvável rock cristão com discos de qualidade duvidosa das bandas Resgate e Katsbarnea, cujo principal objetivo é engrossar com jovens a grande massa de dizimistas de suas congregações. Isso sem falar em aberrações como Rodolfo e ET, Calypso, Dominó, Dogão, Rouge, Br’oz, LS Jack, Rastaclone. Rick também participou do programa Country Star onde tivemos Nathália e Leovander com músicas que constrangeriam Johnny Cash e também do quadro Olha A Minha Banda onde a principal descoberta foi a fatídica banda Agnela.
 É claro que Rick também fez outros trabalhos, porém o único álbum que eu posso considerar audível do admirável produtor foi o acústico do Ira. Não sei se Sr. Rick Bonadio gosta mesmo dos discos que produz ou se realmente se submete a produzir mediocridades por que precisa se sustentar, também não tenho nada contra a sua pessoa, porque acho sinceramente que deve ser um cara de bem, mas os discos em que trabalhou ao longo da carreira fazem jus ao título do texto. Talvez um dia Rick olhe com a devida importância para bandas como Tomada, Cracker Blues, O Bando Do Velho Jack, Motorocker e várias outras que estão há muito tempo fazendo boa música no país e que por falta de apoio do alto clero da mídia nacional continuam restritas a que realmente vai atrás de bons sons. Espero sinceramente que o Sr. Rick Bonadio um dia feche sua fantástica fábrica de lixo e se torne o Willy Wonka dos verdadeiros talentos da música feita no Brasil.

4 comentários:

Renildo Albino disse...

bela critica amigo...mas hoje todos procuram mídia e dinheiro...se fizer uma musica facil como os funks e repetitivas onde o radio toque 20 vezes ao dia daqui a poco todos gostam e depois viram deputados.

Jean Peixoto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jean Peixoto disse...

Cara... o Rick é acima de tudo um empreendedor.Empreendedores visam o lucro e a indústria da música no Brasil sempre foi centralizada.A colocação do Renildo está correta.
Como tu mesmo comentou um dia comigo,o negócio é vender o produto,pois teoricamente,se está vendendo é pq é bom ... Certo que o Rick acha os caras do Fresno ou Restart uns idiotas mas de qualquer forma são eles que deixam ele rico então foda-se ... o lance é mudar de estação ou comprar um MP4,5,6,7 sei lá.

Fulvia Cusumano Reis disse...

Peter, o Rick "produz" pra massa, e como tudo nesse país, sem preocupação com qualidade; instrução; cultura. Música é arte, arte é cultura... e quem está interessado em transmitir cultura à massa hoje no Brasil? Os que estão muito pouco ou quase nada conseguem, não é "vendável". Vivemos num país de analfabetos culturais, em que é "proibído" ensinar cultura. Mas sem cultura como seremos pessoas melhores, inteligentes, com pensamentos e idéias próprias? Nunca!!! E é essa a infeliz indústria cultural popular brasileira - com grande apoio e incentivo do governo, óbvio! Não podemos criticar quem gosta desse tipo de música, eles, em geral, não tem culpa. Excelente texto: o Rick está numa posição hoje em que pode sim mudar isso, mas não muda, ele é só mais um explorando e incentivando a burrice cultural.